Contribuições para o dimensionamento de aberturas para iluminação natural em habitações de interesse social

Ary Rodrigues Alves Netto, Douglas Barreto, Adriana Camargo de Brito, Maria Akutsu

Resumo

Este trabalho tem como objetivo contribuir para o aprimoramento dos critérios de avaliação da iluminação natural em habitações, apresentados na norma ABNT NBR 15575-5:2013. Os valores mínimos de iluminância estabelecidos nessa norma, tanto para iluminação natural como para iluminação artificial não atendem aos valores mínimos estabelecidos na norma ABNT NBR ISO/CIE 8995-1:2013, que trata das condições para o conforto visual dos ocupantes. Dessa forma, ambientes projetados para atender somente ao critério mínimo para iluminação natural podem ter como consequência não somente o desconforto visual, como também gastos adicionais pelo consumo de energia elétrica com a iluminação artificial, visando atingir o conforto visual mínimo, com impactos mais significativos para a população de baixa renda. Foi estimada a melhoria do uso de luz natural considerando as áreas efetivas de iluminação proporcionadas por janelas, comumente, encontradas no mercado brasileiro para uso em habitações, comparando-se os valores do “Fator de Luz Diurna” (FLD) obtidos de um conjunto de simulações computacionais. As simulações foram realizadas para determinar a iluminância em um ponto central de um recinto, sob três condições de céu, para os solstícios e equinócios, das 8h às 17h, em intervalos de 30 minutos. Além disso, foi determinado o “Fator de Luz Diurna referência” (FLDr), definido como a relação entre os valores da iluminância estabelecida na norma ABNT NBR ISO/CIE 8995-1:2013 e da iluminância externa. Os resultados mostram que é possível distinguir, claramente, entre os tipos de janela que podem atender aos requisitos de conforto visual conforme as relações entre a dimensão do ambiente e a área útil para iluminação da janela. Com base nesses aspectos, os requisitos e critérios da norma ABNT NBR 15575-5:2013 podem ser  aprimorados tendo em vista garantir um conforto visual mínimo e reduzir o consumo de energia para iluminação artificial. 

Texto completo:

PDF

Número de visualizações: 103

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15575-5: Desempenho – Parte 5: Requisitos para sistemas de cobertura. Rio de Janeiro: ABNT, 2013a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO/CIE 8995-1: Iluminação de ambientes de trabalho – Parte 1: Interior. Rio de Janeiro: ABNT, 2013b. 46 p.

CABÚS, R. C. TropLux 5: Guia do Usuário. Maceió: [s.n.], 2011.

CASTRO, G. N. et al. Componentes de condução da luz natural em edifícios multifamiliares: análise de um código de obras. Ambiente Construído, v. 15, n. 2, p. 25-45, 2015.

COMMISSION INTERNATIONALE DE L´ECLAIRAGE. ISO 15469:2003: Spational Distribution of Daylight - CIE Standard General Sky. Viena: CIE, 2003. 10 p.

SÃO CARLOS (Cidade). Lei no. 15.958, de 29 de dezembro de 2011. Código de Obras e Edificações do Município de São Carlos. São Carlos: Prefeitura Municipal de São Carlos, dez. 2011.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.